A inteligência emocional e seu peso no processo de busca por recolocação profissional.

Olá, amigos do Mundo Financeiro.

Hoje vamos falar sobre a tão famosa e falada Inteligência Emocional.

O significado de Inteligência Emocional provavelmente vocês já conhecem: reconhecer e avaliar os próprios sentimentos e os dos outros, tendo capacidade de lidar com eles. Mas como isso funciona no dia a dia e durante um processo seletivo?

O processo de se recolocar não é fácil e nem sempre é rápido, além de outras responsabilidades que todos nós temos, pessoais ou familiares. O peso de continuar se mantendo financeiramente, aliado ao peso de sair do status “disponível para o mercado”, traz frustrações e incertezas que só produzem emoções que podem atrapalhar nossos planos.

A falta de inteligência emocional faz você ter ações, posturas e palavras diferentes do que você faria em uma situação normal, na qual não haveria desestabilização emocional. Se isso acontecer, provavelmente, o resultado não será o que você esperava e só somara mais frustração. Esse pode ser um grande motivo de você não conseguir passar em um processo seletivo o qual considerava totalmente apto para o cargo. Isso acontece porque, durante a entrevista, mesmo que não perceba, essas emoções acabam transmitindo uma informação ao recrutador diferente da pessoa que você realmente é. Pode ser que o recrutador enxergue em você uma pessoa insegura, ansiosa, demasiadamente preocupada.

Ninguém quer isso. Então, como resolver esse problema?
Ter emoções, medos e incertezas é normal, isso significa que você é um ser humano racional e que se preocupa com o seu futuro. O que não é permitido é deixar isso dominar você, mudar quem você é. Ao contrário, você precisa dominar essas emoções para seguir rumo ao seu objetivo. Para lidar com todas as emoções que podem surgir durante a sua recolocação no mercado, você precisa se conhecer e reconhecer aquilo que te deixa frustrado ou emocionalmente abalado. Não aceitar ou fingir que não existe não vai mudar o resultado ou as consequências dele.

Lidar hoje com suas emoções vai garantir a você um amanhã estável para lidar com as situações que podem surgir e com a recolocação que deseja.

Aqui vão algumas dicas para te ajudar:
1. Reconheça o que tem lhe frustrado ou preocupado. Se necessário, faça uma lista mental ou escreva para que se tangibilize essa certeza em você;

2. A seguir, relembre o seu trajeto profissional, os seus conhecimentos, a bagagem que tem e que você é um profissional qualificado para a vaga que busca;

3. Ao participar de um processo seletivo, chegue alguns minutos antes ou tenha um tempo antes para se relembrar do passo 2, respire fundo e vá fundo certo de quem você é, da sua
bagagem e do que pode agregar a essa vaga.

Seja protagonista da sua vida e da carreira, não deixe as emoções dominarem você!

Um abraço e vamos em frente, SEMPRE.

Veja também:

As certificações na área financeira: para quem e quando são necessárias?
Fintechs: o que você ganha se elas crescerem?
Os processos seletivos no segmento financeiro – potencialize o seu processo de busca por recolocação

Veja mais sobre o autor no LinkedIn

 

Ronaldo Cerqueira

Consultor de Carreiras Especialista em Mercado Financeiro | Uma Vida dedicada aos Bancos | Paixão por Finanças e Pessoas
www.ronaldocerqueira.com

Ver todos os posts

1 comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Ronaldo, parabéns pelo texto. Adorei a clareza, didática e objetividade.
    É bem sério estar em busca de recolocação e se equilibrar diante de tantas variáveis que insistem em nos afastar do equilíbrio, ainda mais diante de um entrevistador.
    Ler seu texto é um jeito de nos lembrar em como voltar ao eixo e seguir em frente e acima de tudo, mandar bem na entrevista.
    Um abraço, parabéns novamente.