Mundo Financeiro

Reserva de emergência: Fundo DI ou Tesouro Direto?

Um dos primeiros passos para um planejamento financeiro eficiente é definir uma grana que fará parte da reserva de emergência.

O que é uma Reserva de Emergência?

A reserva de emergência é o dinheiro que você vai deixar separado caso aconteça algum imprevisto como, por exemplo, perda do emprego, algum problema de saúde ou familiar e assim por diante. Ou seja, gastos que não são previstos, mas podem acontecer.

O valor para essa reserva depende de vários fatores. Mas, podemos dizer que há consenso de que o valor ideal corresponde a 6 meses de gastos fixos mensais.

Mas e aí? Onde deixar esse dinheiro?

Como é um dinheiro reservado para emergências, é importante alocá-lo em algum tipo de investimento que seja possível resgatá-lo de forma rápida, além de te trazer rendimento. 

Há muitas pessoas que optam pelos Fundos DI, que é um tipo de investimento em renda fixa com alta liquidez (geralmente o resgate é feito no mesmo dia) e com baixo risco. No entanto, estamos aqui para falar os motivos pelos quais essa escolha pode NÃO ser tão boa quanto parece.

O principal motivo está relacionado à tributação do come-cotas, que é o imposto cobrado semestralmente em cima da rentabilidade obtida no período. Além disso, temos as altas taxas de administração que ainda são cobradas pela maioria dos Fundos DI.

Esses fatores são responsáveis por reduzir substancialmente a sua rentabilidade principalmente em períodos de taxas de juros mais baixas como o atual.

Dica de ouro!

Por isso, a nossa dica é: em vez de deixar a sua reserva de emergência em Fundos DI, uma alternativa muito mais vantajosa é o Tesouro Selic. Esse tipo de investimento também possui alta liquidez (D+1), baixo risco e rentabilidade atrelada à SELIC (que costuma ser um pouco superior ao CDI).

No Tesouro Selic, não há a tributação do come-cotas, que ocorre semestralmente nos fundos de investimentos. O imposto é cobrado apenas quando o resgate for feito. Além disso, apesar de haver possibilidade de cobrança de uma taxa da instituição por meio da qual o investidor compra os títulos, a maioria das corretoras já está com essas taxas zeradas. Se você quiser conferir a taxa da sua corretora basta clicar aqui

No final, há apenas a taxa de custódia que é de 0,25% ao ano, que é uma taxa devida pela guarda dos títulos é igual não importa por meio de qual corretora você faça o investimento. Lembrando que, desde agosto de 2020, investimentos de até R$ 10 mil no Tesouro Selic são isentos da taxa de custódia.

Diante de tais aspectos, ao aplicar sua reserva de emergência no Tesouro Selic por meio do Tesouro Direto, você garante que o seu dinheiro renda muito mais do que em Fundos DI.

Tá aí a nossa super dica de hoje! 

Aprenda a investir no Tesouro Direto

Quer saber mais sobre como investir no Tesouro Direto? Clique aqui e conheça o nosso curso Tesouro Direto: a renda fixa na sua mão.

Neste curso, você vai aprender de forma profunda as principais características dos títulos públicos federais. Além disso, vai aprender a montar a sua carteira de investimentos em renda fixa de forma mais eficiente.

Você também irá gostar

Adicionar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.