“Fui desligado! O que fazer agora?”

Olá, amigos do Mundo Financeiro! Vamos falar hoje sobre um assunto que é complexo e envolve muita gente: o caminho de volta ao mercado de trabalho.

Nós vivemos uma época inédita de transformação no segmento financeiro, com muitas mudanças devido ao processo de digitalização, nascimento de novos players, enfim, uma nova configuração. Este movimento, somado ao deslizante momento de economia do País, faz com que muitos profissionais tenham o dissabor do desemprego pela primeira vez na vida. Outros vivem essa situação há mais tempo, o que tem grande peso financeiro e emocional na vida de cada um.

O período de “silêncio” do mercado destrói a autoestima, traz questionamentos e isso vai aumentando a tormenta, então, como sair dessa?

Inicialmente, o profissional deve compreender que o momento é macro. Não se trata de um caso isolado, um problema individual. A retomada, contudo, parte, sim, do que cada um semeia em sua carreira. Nossa história profissional pode ser comparada a uma planta, que merece e necessita de cuidados. Regar, adubar, tudo isso depende apenas do dono da planta, enquanto fatores externos como o sol, chuva ou geada, por não serem de controle nosso, devem apenas se administrados. Faça o que cabe a você, administre o que não é de seu controle.

Aos que trabalham, fica uma dica: cuide de sua carreira, invista em você no momento em que puder. Mais fácil e acessível fazer isso por precaução do que remediando, como fazem muitos profissionais.

Voltando aos colegas que estão na busca: o que você tem feito além de esperar que as coisas voltem a dar certo?

Há fórmula mágica para esta conquista? Obviamente não, mas podemos fazer muitas coisas para as possibilidades aumentarem.

  1. Invista em suas conexões, relacione-se! (Relacionamento não é pedir ajuda. Crie o hábito de ser e estar presente);
  2. Invista tempo para adquirir conhecimentos. Estabeleça meta diária para leitura de sites, conteúdos e portais que somem ao momento. Esteja por dentro dos cenários político e econômico;
  3. Use e abuse dos cursos livres gratuitos. Há muitos cursos online de grande qualidade, úteis, não apenas para compor currículo, mas principalmente como base de conhecimento para ser usado no dia-a-dia, em processos seletivos, principalmente;
  4. Invista o recurso que for possível em capacitações e certificações financeiras. Com o mercado inflado e muito concorrido, a régua sobe, as oportunidades ficam mais disputadas, então não pense no que é “mandatório”, busque o que é “desejável” ou “diferencial” nas vagas;
  5. Invista no Linkedln. A ferramenta é maravilhosa, mas demanda tempo e atenção para aumentar rede de conexões, escolher pessoas e empresas do segmento que passará a seguir, configurar campo de vagas e preencher tudo que deve para ter um perfil atrativo. Vale o esforço, a ferramenta é sim MUITO BOA;
  6. Olho vivo em cursos, eventos, seminários e congressos locais ligados a finanças. Tem muitas coisas boas e GRATUITAS, muitas vezes ignoradas pelos colegas que estão ávidos por novas oportunidades;
  7. Não subestime os “trabalhe conosco”. Faça uma listagem de empresas-alvo, cadastre CV, atualize quando necessário, busque colegas destas no Linkedn, estruture a busca. Não pense que as oportunidades brotam apenas de vagas anunciadas;
  8. Não esqueça que a sua história rica segue intacta. O momento de adversidade não apagou os seus feitos;
  9. Não dê ouvidos aos pessimistas de plantão;
  10. Insista mesmo que viva dias duros, INCONDICIONALMENTE. O cair não é opcional, o levantar é! Escolha;
  11. Não disperse em sua busca, tenha foco e cuide dos “ladrões do tempo” como redes sociais e games;
  12. Tenha paciência e sabedoria ao entender que este é um momento que passará como muitos outros;
  13. Não compare a sua realidade com a do colega, cada pessoa vive um tempo, cada um tem seu momento e suas aspirações;
  14. Busque atividades físicas e culturais que mantenham a sua mente ativa e ágil;
  15. Lembre-se de que, mesmo em dificuldade, você pode contribuir para um mundo melhor: compartilhe seus conhecimentos, todo mundo ganha com isso.
  16. Considere atuações além do segmento bancário / financeiro (o mundo é grande, depende de como você vê);
  17. Se não abre mão do mercado financeiro, ao menos veja que nem só de bancos ele é composto. Olhe empresas de Meios de Pagamentos, Corretoras, Fintechs, Cooperativas, Seguradoras, Insuretechs, Bancos de Investimentos, FIDC, Financeiras, Adquirentes… liberte-se dos paradigmas!
  18. Admita que seu próximo emprego pode ser em regime de contratação PJ. Há vida, sim, sem a “CLT”;
  19. Invista tempo em conteúdos sobre idiomas (o app gratuito “Duolingo” é excelente);
  20. Não esqueça do bom e velho Excel. Ele segue sendo importantíssimo. Treine, aprenda, desenvolva seu conhecimento sobre ele.

O momento é duro, requer muita paciência, mas não tem nada perdido. Seja um mês, seis meses, um ano ou o tempo que for, siga firme. Desistir de você e de seus sonhos, definitivamente, não é uma opção.

Na próxima semana estaremos aqui novamente, com mais conteúdos sobre este nosso MUNDO FINANCEIRO.

Até lá!

 

Veja também:

As certificações na área financeira: para quem e quando são necessárias?

Educação financeira para bancários: fugindo do vermelho e mantendo as portas abertas no mercado

Os processos seletivos no segmento financeiro – potencialize o seu processo de busca por recolocação

Veja mais sobre o autor no LinkedIn

 

Ronaldo Cerqueira

Consultor de Carreiras Especialista em Mercado Financeiro | Uma Vida dedicada aos Bancos | Paixão por Finanças e Pessoas
www.ronaldocerqueira.com

Ver todos os posts

Adicionar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *